24/04/2020  às 08hs40 - Atualizado em 24/04/2020  às 08hs51

Economia

Reinvenção: os desafios dos empresários em meio à pandemia

A presidente da Associação Empresarial de Orleans (ACIO), Thayni da Silva Librelato, ressalta a importância da atualização e qualificação neste cenário de mudanças e incertezas.


Neste momento, é fundamental que os empreendedores tenham resiliência e  capacidade para se readaptar – Foto: Freepik

Neste momento, é fundamental que os empreendedores tenham resiliência e capacidade para se readaptar – Foto: Freepik


A pandemia do coronavírus afetará a economia global. A doença está mudando hábitos do mundo inteiro e, no Brasil, não é diferente. Entre as medidas de prevenção, está o isolamento domiciliar e também a proibição ou a limitação do funcionamento de empresa, o que acabou prejudicando muitos negócios.


Para trazer luz em meio a este cenário nebuloso, o Notícias JH traz entrevista com Thayni da Silva Librelato, que é empresária, advogada, formada em Direito e Administração de Empresas pela Unisul, pós-graduada em Gestão Empresarial pela Unibave e Marketing pela Unisul. Thayni é também conselheira no Conselho de Administração da Librelato S.A. Implementos Rodoviários e presidente da Associação Empresarial de Orleans (ACIO). 



Notícias JH - De que forma a crise tem afetado as relações de consumo?


Thayni - A forma como as pessoas consomem mudou completamente. Primeiro que os canais de vendas mudaram: hoje temos uma explosão no delivery e o e-commerce vem ganhando cada vez mais força. E é óbvio que a incerteza do futuro gera cautela, onde o consumo começa a ser questionado pelas pessoas, o que reduz o comportamento de compra e aumenta a pesquisa, a barganha e tudo mais. Ou seja, os negócios estão se reinventando para manter as relações com seus consumidores.


Notícias JH - Tendo isso em vista, de que forma os empreendedores podem se preparar para tais mudanças?


Thayni - Diante do atual cenário, é necessário entender que os negócios não serão mais vistos da mesma maneira pelos clientes. Neste ecossistema de mudança radical, novos comportamentos, mudança cultural e novos hábitos de consumo, percebe-se a necessidade de mudança para todos os segmentos. Por isso, os empreendedores precisam estar atualizados, buscar qualificação, entender que o todo o planejamento estratégico das empresas mudou e que novas ações precisam ser tomadas, mas só entenderá o atual momento quem realmente estiver atualizado e for um bom ouvinte, pois, mais do que nunca, é o momento de estimular permanentemente a equipe e extrair dela ideias inovadoras.


Notícias JH - Em um momento de crise, quais as principais características que o empresário deve desenvolver?


Thayni - Uma das características mais importantes que um empresário precisa ter no momento de crise no mundo dos negócios é resiliência, tendo a capacidade para se readaptar-se a variáveis não previstas, conforme a situação exigir e da forma mais rápida possível.


Além disso, é indispensável que se tenha capacidade de planejamento, sabendo onde está, onde quer chegar e o que é preciso fazer. Criar planos de ações e priorizá-las dentro do negócio. Monitorar, corrigir e rever. Isso pressupõe que se avalie as melhores alternativas para alcançar seus objetivos estabelecidos durante o planejamento e ter novas opções diante de uma crise.


Notícias JH - Cite algumas soluções inovadoras que podem ser adotadas neste momento?


Thayni - De acordo com o seu segmento, é possível sim você inovar e apresentar soluções inovadoras nesse momento. Por exemplo: uma opção interessante é transformar eventos presenciais em lives (transmissões online) ou fazer distribuição de conteúdo via serviços de streaming. Nas últimas semanas, o mercado de lives tem alcançado recordes.


No segmento da beleza: intensificar o uso dos canais digitais: Instagram, WhatsApp, Facebook e outras plataformas e aplicativos de venda. Manter o contato com os clientes aquecido enviando: dicas de beleza; ofertas de produtos; curadoria de influencers interessantes para seguir. Promover a venda delivery de cosméticos;


No segmento da moda, a mentalidade positiva e humanizada é uma alternativa para acertar no discurso e no tom de voz no relacionamento com os clientes.


1) Tenha uma postura ativa: esteja presente, não espere o cliente precisar, apresente alternativas, estimule a curiosidade e mostre oportunidades. Use as redes sociais para essa aproximação;


2) Fortalecimento da marca é sobrevivência: e como se faz isso? Unindo o online com o offline. De cada quatro pessoas no país, uma não tem acesso nenhum à internet e duas não usam redes sociais. Então, aposte na propaganda por meio de outdoor, jornal, rádio e TV;


3) Explore o delivery como experiência, que vai além da venda e da entrega de produtos, mas como uma extensão da sua loja física;


4) Desconstrua crenças de consumo: crie um discurso de empatia, mas produza um conteúdo de utilidade atemporal, criando oportunidades para além da crise;


4) Faça vendas consultivas por meio de WhatsApp e vídeo-chamadas;


5) Invista em parcerias com serviços de consultoria de imagens para que possa entregar modelos prontos de looks estimulando o aumento da conversão e do tíquete médio.


No segmento de logística e transporte: inserir mais restaurantes e bares nas plataformas de venda e entrega. Motoristas de aplicativos e táxis podem passar a fazer entregas para que os motoristas não tenham que parar de rodar em tempos como esse, de quarentena. E dar mais liberdade para que os profissionais se familiarizem com as ferramentas de comunicação corporativa e tenham a possibilidade de trabalhar remotamente. Diversos estudos apontam que o trabalho remoto pode causar impactos positivos na produtividade. Ainda acredito que o home office é um desafio para mim! Mas, para muitas pessoas, já é uma nova maneira de produzir mais e melhor.


De modo geral, toda a economia sofrerá com a crise. É preciso ter flexibilidade, criatividade e planejamento para se preparar para os próximos meses. Não importa qual seja o seu segmento, o que realmente precisa ser levado em consideração é que você não pode sair disso tudo fazendo o mesmo. É necessário que todos nós tenhamos a consciência do quanto é importante estarmos preparados para a retomada da normalidade. E é importante ter em mente que se trata de uma crise de saúde e não econômica. Assim, passado a pandemia, a retomada será muito mais rápida.


Notícias JH - De que forma é possível manter os colaboradores motivados em meio à crise?


Thayni - Todo profissional precisa sentir o otimismo de seu líder e se sentir valorizado para continuar desempenhando um bom trabalho, seja em tempos de crise ou não. Por isso, nos momentos em que tudo parece dar errado, é fundamental que os líderes tenham pensamento positivo e saibam transmitir isso para toda a equipe, mostrando que a crise é apenas uma fase ruim e que no final vai dar tudo certo. Demonstrar gratidão ao trabalho que cada um desempenha também é uma forma de criar laços de confiança, empatia e parceria duradoura. 


Notícias JH - De que forma a comunidade como um todo pode contribuir com as empresas locais?


Thayni - Estimulando o comércio local e ajudando os empresários da sua cidade, por exemplo.


Em Orleans, nós, como ACIO e empresários da cidade, já apoiávamos a campanha “Compre de Orleans”, agora percebemos mais ainda o quanto esse senso de comunidade forte é importante. Por isso, cada compra que a comunidade fizer em nossa cidade, seja de forma presencial ou pelos serviços agora no delivery, estarão contribuindo e muito com cada empresário que luta para continuar com seu estabelecimento aberto, oferecendo emprego e renda ao nosso município.


Notícias JH - Quais lições podem ser tiradas com a pandemia?


Thayni - Essa pandemia irá deixar muitas lições em nossas vidas. Afinal, quem não parou e se questionou sobre várias maneiras de agir e pensar durante esse tempo, não é mesmo?


Uma das coisas que precisamos pensar é que devemos selecionar melhor quem iremos eleger para os cargos executivos e legislativos. Diante da tragédia que esta pandemia apresenta, fica clara a importância de termos dirigentes capazes e competentes para governar. Outra lição que devemos levar para sempre é que sozinhos não vamos a lugar nenhum e que o coletivo pode atuar no bem comum de todos. Portanto, independentemente da sua classe social, cor, raça ou qualquer escolha, você nunca será melhor do que ninguém. E que devemos valorizar mais os momentos especiais. O isolamento forçado pode parecer muito ruim, mas também nos aproximou de pessoas que na correria no dia a dia não tínhamos mais tempo de conviver tanto, trazendo de volta momentos valiosos. Por isso, quando tudo isso passar (porque vai passar), lembre-se de continuar vivendo as coisas simples, prazerosas e que dinheiro nenhum do mundo poderia proporcionar.


Redação Notícias JH


24/04/2020  às 08hs40