14/06/2019  às 14hs25

Política

Referência em qualidade de vida, Rio Fortuna celebra 61 anos de emancipação

Na próxima sexta-feira, dia 21, a programação com baile, escolha da Realeza e atividades recreativas será realizada para comemorar a emancipação político-administrativa.


Foto: ASCOM PMRF

Foto: ASCOM PMRF


Entre os 25 melhores municípios para se viver no Brasil e entre os seis em Santa Catarina, a pacata cidade de Rio Fortuna, situada no Sul do estado, é motivo de orgulho para seus quase 4,5 mil habitantes. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDHM) é 0,806, conforme dados do Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o que situa o município na faixa de Desenvolvimento Humano Muito Alto (IDHM entre 0,800 e 1).


O fator que mais contribui para o IDHM de Rio Fortuna é Longevidade, com índice de 0,850, seguida de Renda, com índice de 0,848, e de Educação, com índice de 0,727. O município tem ainda uma das melhores rendas per capita do estado. A proporção de pessoas pobres, ou seja, com renda domiciliar per capita inferior a R$ 140,00 (a preços de agosto de 2010), passou de 41,26%, em 1991, para 9,16%, em 2000, e para 0,37%, em 2010.


“Nosso objetivo é investir em programas que melhorem a qualidade de vida de nossa população; em ações para deixar nossa cidade ainda mais bonita e harmônica. Queremos que nossos moradores sintam ainda mais orgulho de viver aqui”, destaca o prefeito Lindomar Ballmann. “Investimentos em esporte e cultura, por exemplo, parecem pequenos, mas proporcionam um retorno muito satisfatório. São através de pequenas ações que encontramos grandes resultados”, completa.



O fato de ser rodeada por belos vales e montanhas, ao pé da serra geral, torna ainda mais prazeroso viver em Rio Fortuna. A maior parte da população vive nas áreas rurais. E é justamente da diversificação agrícola, principalmente com o cultivo de fumo, de milho e de madeira e a criação de peixes, suínos e gado, que se baseia a economia da cidade. Destaque para o setor leiteiro, desde a produção do leite até o processamento da matéria-prima, transformada em queijos, bebidas lácteas, doce de leite e entre outros. Na indústria, é forte a presença do setor de madeiras e fabricação de móveis, esquadrias e quadros. Além disso, as águas dos rios são utilizadas para a produção de energia. Às margens do Rio Braço do Norte, que corta a cidade, há três Pequenas Centrais Elétricas (PCHs) construídas.


Fontes de águas termais, cachoeiras, rios e belos montes e montanhas Rio Fortuna estão entre os inúmeros pontos turísticos. Apesar de sua beleza, ainda não oferecem acesso facilitado e infraestrutura adequada, não sendo explorados como deveriam. No próximo dia 21 de junho, a cidade referência em qualidade de vida em nível nacional completa 61 anos de emancipação político administrativa, com muitos motivos para celebrar. Baile, escolha da Realeza e atividades recreativas contemplam a programação com inúmeras atrações gratuitas para os munícipes.  


A programação inicia na sexta-feira, 21 de junho, com a Escolha da Rainha e Princesas de Rio Fortuna. O evento será realizado no Centro Comunitário São Marcos, a partir das 19h. Ainda haverá apresentações culturais, baile com Gilberto e Adriano e serviços de bar e cozinha. Neste dia, a atual Realeza, representada pela Rainha Andrea Isadora Rosing e princesas Natalia Ricken e Juliane Back, entregará o cargo às sucessoras que terão a missão de promover e divulgar o Município em seus eventos, como a Expofortuna, Gemeindefest e Stammtisch, dentro e fora da cidade, durante o período de seu mandado, previsto para terminar em 2021.  


Ao todo, seis candidatas se inscreveram para participar do concurso de Rainha e Princesas: Cintia Buss Heidemann (22); Djulye Flausino Floriano (15); Bruna Schotten (15); Silvia Heidemann (19); Ana Flávia Herdt Philippi (20) e Layse Wiggers Kemper (19). Sob olhares dos jurados, elas desfilarão pela passarela em trajes social e alemão, e serão avaliadas pela espontaneidade e carisma; simpatia e beleza física; charme e desinibição; e capacidade de articulação verbal.  


Já no domingo, 23 de junho, acontece a tarde recreativa para as crianças, na Praça da Igreja Matriz, a partir das 14 horas, com brinquedos infláveis e muitas guloseimas para diversão da garotada. Para o prefeito, as festividades são uma forma de valorizar a história do município que é reconhecido nacionalmente pela excelente qualidade de vida. “São mais de 60 anos de história e a festa é para os nossos riofortunenses, pois é a eles que devemos os parabéns, pois construíram a história de nossa querida Rio Fortuna”, menciona Lindomar Ballmann.



Eventos atraem visitantes


Festa do Padroeiro São Marcos – Com forte presença de católicos, a cidade tem como principal evento a tradicional Festa do Padroeiro São Marcos, realizada no fim de abril, que atrai pessoas de todo estado pela saborosa gastronomia e pelo motocross, que, em 2013, voltou a estar na programação do evento.



Foto: Diego Della Justina


Stammtisch – A segunda edição do Stammtisch ("mesa cativa" em alemão) foi realizada em 25 de maio, na Praça Pedro Wameling, em frente à igreja matriz da cidade, com show da Banda Humanação, chope, apresentações culturais e muita diversão entre os participantes. De origem brasileira, mas com aspectos da cultura típica alemã, o Stammtisch é um encontro de amigos e grupos unidos por motivos comuns, atividade ou profissão. Ao todo, 27 grupos marcaram presença para ocupar as barracas com exclusividade.



Gemeindefest – Intercalado com a Expofortuna, ocorre a festa alemã da cidade, a Gemeindefest, oportunidade em que se resgata os costumes e tradições dos primeiros colonizadores destas terras. Em 2018, a terceira edição da Festa das Comunidades, o ponto alto foi o Desfile Temático, onde os riofortunenses caracterizados resgataram e contaram um pouco a história de cada uma das localidades, integrando e valorizando as famílias. Desfiles temáticos, apresentações culturais, bailes típicos e concurso de chopp em metro são algumas das atrações da Gemeindefest. Paralelo à edição de 2018, ocorreu ainda a 1ª Feira de Gastronomia de Rio Fortuna, com exposição e comercialização de produtos típicos do campo.



Dia do Município – Em 2019, a comemoração dos 61 anos de emancipação política de Rio Fortuna será realizada no dia 21 de junho. Baile, escolha da Realeza e atividades recreativas serão promovidos no Centro Comunitário São Marcos.



História



A colonização das terras que hoje pertencem a Rio Fortuna iniciou por volta do ano de 1872, com filhos de imigrantes vindos, em grande maioria, de São Bonifácio. Na grande maioria, descendentes de alemães de Anitápolis, Teresópolis, Tubarão e São Pedro do Sul (atual Armazém). Ao chegarem nas terras de Rio Fortuna, os pioneiros da colonização se depararam com outros habitantes: os índios. Pertencentes à tribo Xöklen, foram os primeiros moradores do município.


Os pioneiros colonizadores se estabeleceram nas regiões que hoje pertencem ao perímetro urbano de Rio Fortuna, mais especificamente no local conhecido como Encruzo (Rua Padre Auling com Augusto Ricken). O desbravamento do interior ocorreu apenas mais tarde. Uma das primeiras comunidades a receber novos moradores foi São Maurício (na divisa com Braço do Norte) e Rio Bravo Baixo, por volta de 1880. Os povoamentos de Rio Café, Rio Pinto e Rio Branco iniciaram no final do século 19 (1898), assim como o Alto Rio Fortuna (1900). Já as demais comunidades começaram a ser habitadas apenas no início do século 20: Rio Claro (1914), Rio Chapéu (1920), Barra do Rio Chapéu (1920), Rio Facão (1920) e Rio dos Bugres (1921).


A principal atividade dos pioneiros foi a agricultura e pecuária, ainda de fundamental importância para Rio Fortuna. A maioria dos produtos da terra eram vendidos na cidade de Laguna. Lá era comercializada a banha, a carne de porco salgada, o charque, o toucinho, o feijão, o milho e a batata inglesa produzidos nestas terras. A partir de 1910, a população passou a comercializar (venda e compra) em três locais: Armazém, Gravatal e Braço do Norte. Em Rio Fortuna, no fim do século 19 existiam, apenas duas “bodegas”: uma perto da igreja católica e outra dos protestantes.


Em 1909, mais especificamente em 15 de abril, por meio do decreto número 789, Rio Fortuna passou à condição de distrito pertencente ao município de Imaruí. Como distrito, a localidade pouco evoluiu. Era distante da sede, para onde a população se dirigia apenas para pagar os impostos. Em 1921, com a assinatura da lei número 107, de 3 de janeiro, foi criado o Distrito de Rio Fortuna, agora pertencente ao município de Tubarão. Para a população, uma das poucas diferenças foi no local de recolhimento dos impostos. A região também passou a ter um intendente.


Pelo decreto-lei número 86, de 31 de março de 1938, a sede foi elevada à categoria de vila de Tubarão. Rio Fortuna passou a ser distrito do recém-criado município de Braço do Norte pela lei estadual número 1.022, de 30 de dezembro de 1953. Enquanto pertenceu à cidade vizinha, Rio Fortuna passou a ter direito a representantes na Câmara de Vereadores. Em 1958, pela lei estadual 348, de 21 de junho, foi emancipado, passando a ter independência administrativa e mais verbas. Adolfo Boeing foi nomeado prefeito interino por seis meses, até Marcos Vandresen ser eleito para o cargo.


Origem do nome


Juntamente com os primeiros imigrantes que vieram colonizar a região de Rio Fortuna, também se encontravam açorianos. Vindos de São Pedro do Capivari, estes desbravadores tinham na caça, abundante na região, seu sustento. Conta-se que foi em uma dessas caçadas que teve origem o nome da cidade. Na época, topógrafos da Empresa de Terras e Colonização estavam na região para demarcar as terras para os colonos. Com o auxílio de caçadores, os topógrafos mataram duas antas. Os animais caíram no rio, que até então não tinha denominação. Diante da façanha, os caçadores exclamaram: Glückfluss (Que Fortuna! Rio da Sorte). Assim o rio recebeu o nome de Fortuna que posteriormente seria o nome da cidade.


Fonte: Livro “Rio Fortuna: Nossa Terra, Nossa Gente” (Recorde: 1997), de autoria de Roberto João Tenfen.


14/06/2019  às 14hs25