12/09/2019  às 10hs54

Geral

Os detalhes do arrendamento do São João Batista pela Unimed

Presidente Leandro Avany Nunes prometeu que demissões não vão acontecer.


foto: Erik Behenck

foto: Erik Behenck


A Unimed arrendou o Hospital São João Batista por 20 anos e poderá realizar a compra quando desejar. Conforme o presidente da empresa de plano de saúde em Criciúma, Leandro Avany Nunes, não era possível fazer a aquisição definitiva neste momento. Ele esteve no Programa Adelor Lessa e deu detalhes sobre a negociação. O nome será mantido, como forma de homenagem aos proprietários.


“A Família Guglielmi tem um imenso valor, no livro deles diz que assumiam muitas encrencas, e uma delas foi o São João Batista, que na época era infantil. O hospital passou por reforma e foi inaugurado em 1963, desde então ele vem sendo tocado”, disse. “Eles conseguiram manter o hospital por 55 anos e agora por uma mudança de foco nos procuraram e resolveram fazer esse negócio”, comentou.


Para o presidente da Unimed este é um ato de coragem e altruísmo dos médicos cooperados. Todos os planos de saúde serão mantidos, assim, irão realizar atendimentos não apenas da Unimed. Avany Nunes já trabalhou no São João Batista e acredita que agora com uma nova equipe os atendimentos irão melhorar.


“Como eu tenho muito conhecimento do São João, eu vou estar ali dentro. A gente vai procurar não demitir ninguém, a gente adequa as pessoas ao novo modelo de gestão, eu estou na Unimed faz quatro meses, e ninguém foi demitido”, comentou. Ele está na presidência desde abril deste ano.


Por enquanto a pediatria vai continuar sendo atendida no Hospital Unimed. Para o médico, Criciúma é uma referência em saúde, não é preciso sair da cidade para fazer operações e isso vale para as mais variadas áreas. Atualmente a empresa de plano de saúde atende entre 20 e 25% das pessoas na cidade. 


“Ele tem uma identidade cardiológica, mas se tornou uma referência com o São João Cardio, que é o único serviço 24 horas de Florianópolis a Porto Alegre e que atende mais de 400 pessoas por mês. A ideia é que a cardiologia possa ser bem fortalecida”, citou.


O objetivo é atender melhor


A Unimed não tem um dono, e sim associados, então é preciso agradar a maioria. “Não é fácil lidar com os colegas, porque eles são proprietários e eles querem retorno, eu não falo de lucro, mas para dar uma saúde de melhor qualidade as pessoas simples. Isso é a meta dessa diretoria e dos 440 médicos da Unimed em Criciúma”, concluiu o médico.


 


Fonte: 4oito.


12/09/2019  às 10hs54