19/03/2019  às 07hs12

Polícia

Operação All In: Dono de pousada em Imbituba, foragido da Polícia Civil de Garopaba é preso com R$ 1 milhão em dinheiro e 22 kg de drogas

Segundo a polícia, o suspeito estaria se escondendo na capital gaúcha e era monitorando há duas semanas.



Um dos principais foragidos da All In, operação deflagrada em novembro de 2018 pela Polícia Civil de Garopaba, foi preso em flagrante na manhã desta segunda-feira (18), junto a sua namorada, em Porto Alegre (RS), por suspeita de tráfico de drogas e associação para o tráfico. 


Ao efetuarem o cumprimento do Mandado de Prisão Preventiva contra M.H., que foi expedido pela justiça de Garopaba, os policiais civis do Estado vizinho apreenderam com o casal mais de R$ 1 milhão, sendo aproximadamente R$ 700 mil em dinheiro (R$ 697 mil) e 24 kg de drogas, sendo 15 kg de cocaína e o restante de crack e maconha, em um apartamento do bairro Mont Serrat.


Segundo informações da Polícia Civil de Garopaba, M.H. era proprietário de uma grande pousada, avaliada em mais de R$ 1 milhão, no Caminho do Rei, na Praia do Rosa, em Imbituba e havia contraído uma dívida referente a fornecimento de drogas em mais R$ 1.4 milhão com o Henrique Cardoso Furtado, 27 anos, preso em fevereiro deste no com 22 quilos de maconha. Furtado é condenado a 14 anos, 1 mês e 9 dias de prisão.


Segundo a polícia, o suspeito estaria se escondendo na capital gaúcha e era monitorando há duas semanas. 


Pousada de luxo pertencente a M.H. no Caminho do Rei, na Praia do Rosa, em Imbituba


 


 A operação All In


Comandada pelo delegado Walter Loyola, da Delegacia de Polícia da Comarca de Garopaba, a Operação All In, que prendeu dezenas de traficantes em Garopaba, Imbituba, Rio Grande do Sul e no Mato Grosso do Sul e apreendeu mansões, toneladas de drogas e milhões em dinheiro. Ainda há 11 indiciados considerados foragidos.


O montante de droga aprendido com a quadrilha foi 2,85 toneladas de maconha, e os policiais identificaram várias fotografias dos indiciados onde é possível verificar os indiciados cavando buracos para enterrar droga e dinheiro.


Delegado de Polícia Walter Loyola


Outro fato relevante são os valores negociados pela organização criminosa. Segundo a investigação, dias antes da prisão de Henrique no local onde foi localizada a maconha havia malas com a quantia em espécie que extrapola R$ 600 mil, remetida dia antes para os fornecedores de drogas.


Durante a investigação apurou-se a existência de contas bancárias, algumas que recebiam em média valores mensais de R$ 100 mil e outras que movimentaram em menos de cinco meses quantias que extrapolam R$ 1,2 milhão.


Com o apoio dos policias da Divisão Especializada de Combate ao Narcotráfico (Denarc) da Diretoria de Investigações Criminais (Deic) foi possível identificar diversos traficantes do Estado do Rio Grande Sul, possibilitando a prisão de R.B.P., 37 anos, conhecido como “Playboy”, um dos principais fornecedores de drogas daquele Estado.


Conhecido por estar aliado a várias facções, Playboy tinha um amplo balcão de negócios e estava construindo uma pousada de luxo também na Praia do Rosa, com o intuito de lavar o dinheiro do tráfico.


 


Fonte: Portal Na Hora


19/03/2019  às 07hs12