07/07/2020  às 16hs07 - Atualizado em 07/07/2020  às 16hs47

Saúde

Médica do Centro de Triagem do Coronavírus de Orleans explica sobre isolamento, testes e diagnóstico


Foto: Divulgação

Foto: Divulgação


A médica Amanda Livramento, responsável pelo Centro de Triagem do Coronavírus de Orleans, participou do Jornal da Guarujá nesta terça-feira, dia 7, para falar a respeito dos sintomas que fazem com que um paciente se torne suspeito de infecção pelo coronavírus. Ela explicou também a respeitos dos protocolos elaborados pelo Ministério da Saúde, do isolamento, dos testes existentes e do diagnóstico da Covid-19.


Segundo a profissional, um paciente é considerado suspeito de infecção pelo coronavírus quando apresenta febre ou um conjunto composto por, no mínimo, três sintomas da Covid-19, sendo eles respiratórios ou não. Nestes casos, o protocolo prevê que a pessoa seja isolada e monitorada pelo período de 14 dias, a contar pelo primeiro dia de manifestação dos sintomas.


Ela explicou ainda que existem dois tipos de testes: os testes rápidos e o PCR, sendo este último o único aceito pela Secretaria da Saúde para diagnóstico da doença. Testes rápidos são considerados os de coleta de sangue. "Quanto ao teste rápido, testamos em todos os pacientes que vêm consultar e apresentam-se com sintomas há mais de oito dias", esclareceu.


Já o PCR é o realizado pelo Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN/SC), realizado através de coletas de amostras pelo nariz e pelo boca até atingir a nasofaringe, no fundo da garganta. "Como ele detecta diretamente a presença do vírus no nosso organismo, ele pode ser realizado mais precocemente, a partir do terceiro e até o sétimo dia de sintoma", detalhou. "Testamos apenas em pacientes que estão no quinto dia de sintoma, dia que corresponde ao pico de viremia do vírus no organismo, ou seja, quando ele mais está aumentado em quantidade no organismo", acrescentou. Por ser um teste caro, segundo a médica, é inviável a realização em todos os pacientes com suspeita de infecção.


A Dra. Amanda informou ainda que Criciúma, que é referência em UTI na região, tem 20 leitos para Covid-19 pelo SUS e 18 deles estão ocupados. Já no Hospital Nossa Senhora da Conceição, de Tubarão, a ocupação dos leitos da UTI do SUS destinados aos pacientes com coronavírus chegou a 100%. “O Brasil é o país que mais cresce em número de casos. Isso acontece por vários motivos. Um deles é por casos positivos serem liberados após teste rápido negativo, ou seja, pessoas infectantes saindo do isolamento”, alertou.


Confira a explicação completa neste link!


07/07/2020  às 16hs07