14/02/2020  às 14hs14

Geral

Mais de 80 venezuelanos chegam a Chapecó para trabalhar em indústria do Oeste de SC

Refugiados devem trabalhar em empresa de Seara. Aeronave pousou em Chapecó na tarde de quinta-feira (13).


Foto: Willian Ricardo/ND

Foto: Willian Ricardo/ND


Um grupo de 88 venezuelanos desembarcaram na tarde de quinta-feira (13) no Aeroporto de Chapecó, no Oeste de Santa Catarina. 


Dos migrantes que chegaram no município nesta quinta-feira, 41 deles vão morar em Seara e 47 em Xanxerê. Destes, 68 já estão aptos para trabalhar em uma indústria frigorífica no Oeste. Eles já passaram pelo processo seletivo da empresa e estão com as documentações e vacinas em dia.


O grupo viajou seis horas de Boa Vista até Chapecó em um Hércules da FAB (Força Aérea Brasileira). São famílias inteira que buscam reconstruir a vida em outro país. 


“Nesta ação específica, contamos com a parceria do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados que viabilizou a oportunidade junto à empresa contratante”, explica Thais Braga, gerente especial do projeto AVSI Brasil. 


Todos os custos com as acomodações, bem como o acompanhamento social de três meses serão viabilizados pela AVSI Brasil. 


“Nós entendemos que essa transição merece muita atenção, já que essas pessoas estão saindo dos abrigos de Boa Vista e Pacaraima e não contam com recursos para arcar com aluguel ou outras despesas neste momento”, explica. 


O projeto também contará com o apoio de uma assistente social que fará o acompanhamento junto ao grupo por três meses, visando apoiar a integração dessa população localmente e a comunicação com a empresa e entes locais.


“Me sinto muito feliz. Minha expectativa é conseguir um trabalho e uma nova vida, um novo progredir”, diz Ana Rondon, de 60 anos.


Este é o primeiro grupo interiorizado pelo projeto e outras ações semelhantes serão realizadas em outros estados do Brasil no decorrer de dois anos. 


Viagem 


A Venezuela enfrenta uma intensa situação política e econômica, que foi reconhecida pela comunidade internacional como uma crise humanitária. Como resultado dessa crise, milhares de venezuelanos fugiram pela fronteira brasileira em busca de abrigo, gerando pressões sociais e econômicas no estado de Roraima, especialmente nas cidades de Boa Vista e Pacaraima. 


Conforme dados divulgados pela Operação Acolhida, mais de 260 mil venezuelanos já solicitaram regularização migratória no Brasil. Cerca de 500 pessoas cruzam a fronteira para o Brasil todos os dias.


Thais diz que cerca de 9.600 venezuelanos serão beneficiados diretamente pelo projeto, em dois anos.


Fonte: ND Mais.


14/02/2020  às 14hs14