16/02/2018  às 18hs48

Entretenimento

Fundação Cultural traz teatro acessível para Criciúma

O espetáculo ‘O incrível ladrão de calcinhas’ é gratuito e será apresentado pela primeira vez em Santa Catarina com acessibilidade para surdos e cegos


Foto: Divulgação

Foto: Divulgação


A Fundação Cultural de Criciúma (FCC) traz pela primeira vez ao município a peça ‘O incrível ladrão de calcinhas’, da Companhia Trip, de Rio do Sul. O espetáculo é parte de uma turnê realizada pela Fundação Catarinense de Cultura. A apresentação será no Teatro Elias Angeloni neste sábado (17), às 20h. A entrada é gratuita, a classificação etária é de 14 anos e a peça será acessível para surdos e cegos.


Segundo Willian Sieverdt, ator e diretor da Companhia Trip, essa é a primeira vez em Santa Catarina que a peça será apresentada com recursos acessíveis. “É uma questão social, de inclusão. Nosso objetivo é fazer com que as pessoas possam ir juntas ao teatro e aproveitar o espetáculo da mesma forma, sem que ninguém fique explicando o que acontece no palco, durante ou após a peça”, conta o diretor.


Durante a encenação, haverá um intérprete da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e um profissional para fazer a audiodescrição, recurso de acessibilidade para pessoas cegas ou com visão reduzida. “Vamos disponibilizar fones de ouvido, onde uma pessoa capacitada fará a narração da peça para que todos possam aproveitar 100%”, explica Sieverdt.


Além, dos fones de ouvido, ao fim da peça, cegos e pessoas com deficiência visual serão convidados para um tour tátil, podendo tocar nos bonecos e no cenário. Os recursos de Libras e audiodescrição também estarão disponíveis para qualquer pessoa que não tenha necessidade, mas que queira experimentar, para conhecimento pedagógico.


Para a diretora do Teatro Elias Angeloni, é uma excelente oportunidade para divulgação da cultura sem fronteiras. “É a primeira vez que recebemos uma peça acessível para surdos e cegos aqui no Teatro. Precisamos tirar todo o proveito possível desse momento, divulgar para amigos e conhecidos, para que ninguém fique de fora”, conclui a diretora.


Sobre a peça


Uma história de detetives baseada no estilo do Cine Noir, caracterizado por filmes das décadas de 40 e 50, em que a falta de caráter e o crime são as marcas mais presentes. O escritório do Detetive Bill Flecha é procurado pela srta. Velda, uma ‘mulher-fatal’ que tem sua ‘peça íntima’ roubada e pagará qualquer quantia para tê-la de volta. Inspirado na vida e obra de Dashiell Hammett, considerado o pai da literatura policial moderna, o espetáculo utiliza uma técnica de construção de bonecos pouco conhecida no Brasil.


16/02/2018  às 18hs48