25/06/2020  às 09hs43 - Atualizado em 25/06/2020  às 10hs08

Geral

Café com a Guarujá – Robson Lunardi entrevista Ivanir Vitorassi – 23/06


Foto: Ketully Beltrame / Arquivo / Sul in Foco

Foto: Ketully Beltrame / Arquivo / Sul in Foco


A Rádio Guarujá voltou a realizar, nesta terça-feira, dia 23, o Café com a Guarujá, apresentado por Robson Lunardi, um dos programas que mais fez sucesso na emissora. Agora, entretanto, com novidades. A entrevista terá transmissão ao vivo também pelo Facebook e Instagram, no @guaruja960.


O presidente da Cooperativa Regional Sul de Eletrificação Rural (Coorsel), Ivanir Vitorassi, foi o entrevistado que inaugurou esta nova temporada do Café com a Guarujá. Vitorassi é uma liderança admirada em Orleans e região, devido à amizade com os consumidores da Coorsel e ao trabalho que realiza frente à cooperativa, através de uma gestão eficaz.


Durante a entrevista, Vitorassi, que sempre residiu em Tubarão, relembrou sua infância. Ele contou que a família trabalhava com plantação de arroz e que ele, por ser o filho caçula, era responsável por levar as refeições para o restante da família na roça. Em relação à energia elétrica, ele contou que seu primeiro contato se deu em 1971, quando tinha 11 anos.


Outro fato que marcou Vitorassi foi a enchente de 1974. O fato aconteceu por volta das 11 horas de uma segunda-feira. "Eu e dois primos não perdemos a vida graças à minha mãe, que tinha muito medo de trovoada e, quando vinha descendo uma barreira morro abaixo, ela achou que era trovoada e foi na janela para olhar. Quando ela viu, era uma barreira descendo e atingiu onde eu estava dentro, no paiol, eu e depois primos. Ela gritou. Foi coisa de segundos. Nós saímos e o paiol foi, carregado pela barreira".


A família perdeu a casa, a lavoura, os gados e os porcos. "Nosso recomeço, de março de 1974 até o fim do ano, foi uma época de extrema dificuldade, daquelas de você sentir na carne o que é ter tudo e, de um dia para o outro, não ter nada. Nós ficamos só com a terra e mais nada", relembrou. Nesta época, passou a trabalhar peneirando areia, em uma jornada que durava de 10 a 12 horas ao dia.


"Aí a gente aprendeu a dar valor ao dinheiro, à vida, à saúde, a tudo que se faz. É por isso que tudo que eu procuro fazer, eu faço com tanto amor. É por isso que a minha direção à frente da cooperativa é tão dedicada e é por isso que o pessoal me chama de pão duro. Eu não sou pão duro, eu costumo respeitar muito o dinheiro, porque quem não respeita, o dinheiro pune. Então, se você cuida bem dele, ele dará um retorno muito bom. Caso contrário, certamente você vai ter muita dificuldade", afirmou.


O ingresso ao universo do cooperativismo


O sogro de Vitorassi foi presidente da Coorsel e foi quem sugeriu que ele fosse presidente da cooperativa. Já à época, Vitorassi era aposentado da Eletrosul. "Eu consultei uns amigos e todos me apoiaram", contou, acrescentando que o fato de ter tido sucesso como empresário foi uma das razões apontadas por eles. Com isso, ele decidiu se lançar como candidato, vencendo a eleição. Segundo ele, entre os desafios entrados ao assumir a gestão, estava o valor de R$ 2 milhões em dívida e financiamentos que iam de 2011 a 2019.


Entre os projetos que se orgulha de ter implantado, está o Rede Limpa. A limpeza e a poda das árvores próximas às redes de energia elétrica geram excelentes resultados, tendo em vista que, segundo o presidente, o desleixo acabava gerando prejuízo aos associados. Após a iniciativa, foi registrada a diminuição de aproximadamente 90% das interrupções no fornecimento de energia elétrica causada pela queda de árvores nas redes. Os investimentos na melhoria da qualidade na distribuição de energia elétrica nas comunidades de Orleans, os projetos sociais e os atendimentos médico e odontológico também foram atividades de sucesso.


Por fim, Vitorassi falou da satisfação em estar à frente da cooperativa há quase 10 anos. “Viver o nosso interior, o dia a dia do nosso empresário rural, o dia a dia do pessoal da agricultura, não tem coisa que pague, não tem coisa mais gratificante. Eu digo com toda certeza e carinho: nunca teve alguém que amou tanto o que faz quanto o que eu faço no dia de hoje e ninguém se identifica tanto e se sente tão realizado pelo trabalho que eu faço junto aos agricultores, junto aos associados, independentemente do município. Cada um tem uma forma, cada um tem um DNA, mas todos eles têm uma coisa em comum: a simplicidade e o carinho”, declarou.


Confira o áudio completo da entrevista em:


https://soundcloud.com/radio-guaruja/cafe-com-a-guaruja-robson-lunardi-entrevista-ivanir-vitorassi-2306


25/06/2020  às 09hs43