12/07/2019  às 15hs55

Educação

Aprendizagem potencializada com o auxílio dos esportes da mente

Eluana Turazzi Moreira desenvolve diversos projetos no C.E. Meta, que têm contribuído para um melhor desempenho dos alunos e para o desenvolvimento de importantes habilidades.


Fotos: Divulgação

Fotos: Divulgação


Um ofício que impacta positivamente no futuro de crianças e adolescentes. Através deste propósito, Eluana Turazzi Moreira, aos 23 anos, já descobriu a profissão que lhe preenche. Há sete anos, ela atua no Centro Educacional Meta, em Orleans. Desde então, desenvolve junto aos alunos projetos extraclasse com o intuito de desenvolver o raciocínio lógico e entre outras habilidades, tais como memória, concentração, bom comportamento, trabalho em equipe, capacidade de resolver problemas e entre outras.


As aulas de Xadrez foram as primeiras a serem implantadas pela escola, em 2003. Eluana, que já praticava por diversão, se aprofundou nas teorias e técnicas com ajuda de livros e professores para assumir e dar continuidade ao projeto e repassar os conhecimentos aos estudantes. Os resultados observados pela equipe do C. E. Meta são satisfatórios e superam as expectativas. Desde que a equipe passou a participar de campeonatos, há três anos, o desempenho dos alunos ficou ainda melhor. O grupo já coleciona participação em competição regional, estadual, brasileira, além dos torneios internos.


No fim deste mês de julho, Davi Elias Zehnder, de 10 anos, estudante do C.E. Meta representará o Brasil no Panamericano de Xadrez, no Equador. Além dele, a atleta Amanda Silva Ferraz, que tem sete anos, participará do Campeonato Brasileiro Sub 8, em Florianópolis, no fim do mês de agosto. A equipe de Xadrez é composta por 51 membros, de 7 a 14 anos, alunos do Ensino Fundamental I e II. As turmas são divididas em iniciantes, intermediários e de rendimento, esta composta por 14 atletas principais, que são titulares e participam de todos os campeonatos. “O xadrez pedagógico, ensinado nas escolas, é algo raro. Mas, quando tem, dificilmente são transmitidos conteúdos avançados. Aqui, eles aprendem os conceitos de abertura, estratégia, táticas finais, cada um faz seu estilo de jogo”, explicou.



O cubo mágico, por sua vez, foi uma ideia que surgiu há três anos, na faculdade de Engenharia Mecânica, quando Eluana aprendeu a montar com um amigo. “Se o Xadrez desenvolve tanto os alunos, pensei que o poderíamos implantar o cubo também. Conversamos aqui e tivemos a ideia inicial de trabalhar na disciplina de Matemática, com vértices, lados, volume, mas aí ensinamos eles a montar, para trabalhar com o raciocínio lógico também”, relembrou. Ao total, 97 alunos aprenderam montar o cubo mágico. A participação em campeonatos, entretanto, começou apenas no fim de 2018. Desde então, resultados excelentes foram alcançados.


Gustavo Laurentino Galvani alcançou o 3º lugar no campeonato Brasileiro na categoria de montar com os pés. “Estamos trabalhando para melhorar ainda mais o tempo dele para, quem sabe, batermos o recorde nacional e mundial, que é de 20 segundos, sendo que ele já está com o tempo de 22 segundos”. Na primeira participação da equipe do C.E. Meta, o grupo alcançou a 3ª colocação no campeonato regional. “Para escolhermos quem fará parte da equipe titular para participar das competições, observamos quem dá o seu melhor, independentemente do tempo que consegue montar. Os critérios para esta escolha são dedicação, comportamento, presença nas aulas e a média das notas na escola”, comentou.



Eluana ministra também aulas de Iniciação Científica, um projeto que contempla a grade curricular na disciplina de Física do 5º ao 8º ano do Ensino Fundamental. "A intenção é despertar o interesse para esta disciplina que, para muitos, assusta. A ideia é que eles aprendem se divertindo. Tudo isso de forma prática, assim eles absorvem o conteúdo aplicando no dia a dia. Para calcular a velocidade, por exemplo, deslizamos na lona com água e sabão", descreveu a professora.


Como consequência, mais conquistas a serem celebradas. Na primeira participação do C.E. Meta na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), dois alunos já foram selecionados: Julia Coan, do 9º ano do Ensino Fundamental, com a nota 9,7, e Mateus Crema Canever, do 3º ano do Ensino Médio. A prova contou com quase 900 mil inscrições em todo o território nacional. “Agora, eles participarão de um curso preparatório para o processo de seleção das equipes que representarão o Brasil nas olimpíadas internacionais”, ressaltou Eluana.


As provas são aplicadas do 1º ano do Ensino Fundamental até o 3º ano do Ensino Médio. Segundo Eluana, o bom desempenho dos alunos tem relação com os projetos desenvolvidos. “Observamos que os alunos que participam dos projetos de Xadrez, Cubo Mágico, Robótica e Música foram os que tiveram o melhor rendimento na OBA. Uma das alunas, do 2º ano do Ensino Fundamental, quem tem sete anos, tirou 10 nesta prova. Ela participa dos projetos de Xadrez, Cubo Mágico, Música, Robótica e Taekwondo. Ainda não tem idade para participar das Olimpíadas Internacionais, pois são selecionados apenas os alunos a partir do 9º ano, mas conseguiu um resultado exemplar”, ressaltou.



Outro novo projeto foi implantado recentemente. A partir deste ano, no C.E. Meta, são ministradas aulas gratuitas de música. Os alunos que participam do projeto passam a integrar a Banda Santa Bárbara, de Lauro Müller, onde Eluana também ensina. Ela dá aulas de instrumentos de sopro, tais como trompete, trombone, bombardino, tuba, saxhorn, saxophone e clarinete, além de teoria musical.


Como reconhecimento pelos trabalhos desenvolvidos, Eluana recebeu, em março deste ano, uma homenagem durante Sessão Solene realizada pela Câmara Municipal de São Paulo, junto a atletas e profissionais envolvidos na difusão de esportes da mente. Entre os jogos, estão xadrez, cubo mágico, gamão, poker e go e bridge. A honraria foi promovida pela Confederação Brasileira de Xadrez Escolar e a Confederação de Esportes da Mente. Por volta de 400 pessoas de destaque em nível nacional e internacional foram homenageadas. Visando difundir ainda mais os jogos da mente na região, Eluana participa da implantação da Associação Sul Catarinense de Esportes da Mente (Ascatem), que será aberta para toda a comunidade. A intenção é arrecadar fundos para arcar com os custos de inscrição, transporte, estadia e alimentação dos atletas na participação de campeonatos.


“As crianças e adolescentes fazem uso de aparelho celular constantemente, então propor atividades que, além de desenvolver inúmeras habilidades, despertam o interesse deles fora dos aparelhos eletrônicos, não tem preço. Além disso, esses projetos os desafiam, tiram da zona de conforto, e eles se habituam a buscar sempre novos conhecimentos, novas conquistas, e evoluir. Também é emocionante observar a interação entre eles, tanto com os alunos aqui da escola, que fazem parte de diferentes classes, quanto com atletas de outras escolas ou cidades, que participam dos campeonatos. Eles passam a se tornar uma unidade, a pensar em equipe, buscar um objetivo coletivo, torcer uns pelos outros. Então é uma realização pessoal impactar positivamente na vida deles e saber que isso fará a diferença no futuro. Tenho muito carinho por cada aluno. Estou me formando em Engenharia, mas pretendo permanecer aqui com eles", declarou.



Redação Notícias JH


12/07/2019  às 15hs55