01/11/2019  às 15hs53 - Atualizado em 01/11/2019  às 17hs05

Saúde

Ânima: O Encontro dos Lutadores e Vencedores do Câncer

Evento que promove o acolhimento mútuo e a busca pela paz e força interior na luta contra o câncer teve sua segunda edição realizada no último domingo, dia 27, em Orleans.


Foto: Divulgação Ânima

Foto: Divulgação Ânima


“Uma tarde de motivação, que nos dá forças para continuar as lutas diárias”. É desta forma que Marlise Zomer descreve o Ânima - Encontro dos Lutadores e Vencedores do Câncer. A segunda edição do evento, com entrada gratuita, foi realizada no último domingo, dia 27, no Centro de Vivência do Unibave, em Orleans. O intuito foi proporcionar um momento de autoconhecimento e de autocuidado para pessoas que já venceram a luta contra o câncer e para os que ainda estão no processo de tratamento, e seus familiares.


O foco do encontro, entretanto, não está na doença em si, mas em como superar este momento difícil com mais qualidade de vida, visando a saúde integral, aliando corpo, mente e espírito. Para isso, muitas atividades foram promovidas visando fazer com que os participantes emanassem força e gratidão e que trocassem boas energias e experiências. A ideia do encontro surgiu com um sonho de Marlise Zomer, que está curada de um câncer de mama há 15 anos. “A primeira coisa que pensei quando descobri foi que iria morrer, mas depois percebi que não tinha outra opção a não ser fazer o tratamento. A melhor escolha é lutar. Lutar muito”, relembra.


Quem conhece Marlise sabe que o adjetivo “alto-astral” é um dos que melhor a descreve. E essa característica a ajudou muito na luta contra a doença, fazendo com que ela jamais pensasse em desistir. “Durante o tratamento, inclusive, eu passava energia positiva para a minha família, que é maravilhosa. Quando se tem uma família que te apoia e te ama é tudo mais fácil. Penso que doença, amor, carinho e paciência devem andar sempre juntos. Neste momento, precisamos nos apegar em coisas boas e seguir em frente, pois viver é a coisa mais maravilhosa que existe nessa vida”, declara Marlise.


Ela relata que o projeto foi planejado justamente para que os participantes pudessem ajudar um ao outro. “Após o sonho, eu fiquei pensando em como fazer algo para que nós que já passamos pela doença e os que ainda estão em tratamento pudéssemos nos ajudar de forma mútua. Afinal, é uma barra que não é fácil, mas também não é tão difícil, especialmente, quando temos apoio. Então, veio a ideia desse encontro”, detalha.



Participantes da 2ª edição do Ânima - Encontro dos Lutadores e Vencedores do Câncer – Foto: Divulgação / Ânima


Programação inspiradora e focada na alegria


No evento, foi possível fazer terapias como Reiki e Aromaterapia, além de massagem e limpeza de pele. Além disso, foram realizadas Dança Circular com Simone Andrade Milack e Dança Cigana com Ione Cristina Nascimento, de Braço do Norte, que está passando por tratamento do câncer e usando a dança como terapia para autoimagem e autoestima. O evento contou ainda com Mantraterapia com a Banda Nova Terra, como os integrantes Kinho Sant'Ana e Diego Lebarbechom Fraga, que cantaram o Pai Nosso em aramaico, contagiando a todos. A comediante Silvonete Manicura, por sua vez, proporcionou muitas risadas entre os participantes.


Durante o encontro, a nutricionista Tamara Regina Alano Niehues proferiu uma palestra sobre a importância da alimentação para manter corpo e mente saudáveis e para ter disposição. Além dela, também foi realizada a palestra com a jornalista, paratleta, atriz profissional, coach palestrante e modelo Mariele Cardoso, que narrou sua trajetória, um verdadeiro exemplo de vida. Ela é tricampeã brasileira de handebol adaptado, eleita a melhor jogadora do Brasil em 2017. No atletismo, ficou entre as primeiras do Brasil no lançamento de disco de 2012 a 2017. No surf adaptado, é primeira representante feminina de Santa Catarina. Por fim, um desfile de moda com mulheres lutadoras e vencedoras foi um dos pontos altos do evento e encantou a todos os presentes.



As organizadoras do evento Nadia Massuco e Marlise Zomer – Foto: Divulgação / Ânima


A busca pela paz e força interior


A master coach e terapeuta holística Nadia Massuco é uma das organizadoras do evento. Ela explica de que forma a espiritualidade é utilizada para alcançar os objetivos propostos no encontro. “O objetivo é integrar e acolher a todos em uma tarde de diversão. É um momento para que os participantes possam cuidar de si. O sonho da Marlise de 15 anos atrás é acolher essas pessoas, pois ela sabe a dificuldade que é enfrentar uma doença como essa. A partir deste ano, criamos uma identidade para o encontro, que é o Ânima, que significa espírito, alma, vida. É um nome bem forte para identificar as pessoas que têm ou já tiveram essa doença, e também para seus familiares”, afirmou.


“Como sou terapeuta holística, busco fazer com que as pessoas enxerguem o ser humano como corpo, mente e espírito. Portanto, não devemos enxergar apenas a doença, mas o ser humano como um todo, que merece toda atenção. Muitas pessoas confundem, mas espiritualidade não tem nada a ver com religião, mas sim com trabalhar com o psicológico, com os pensamentos e o autoconhecimento. Para enfrentar essa doença, é necessário ter uma mente muito bem estruturada e equilibrada. É necessário o autoconhecimento para aprender a dominar os pensamentos e emoções e para conseguir levar a vida com mais leveza. É neste sentido que é possível encontrar a paz e a força interior, tão importantes para superar os obstáculos da vida”, acrescentou.


Poema sobre a essência de quem experiencia o Ânima


Para descrever e resumir a essência de quem experencia o Ânima, Nadia escreveu um poema e leu aos presentes no encontro: “Bem-aventurados a dançar neste dia de Ânima com o ritmo da vida para nos levar aos sons de nós mesmos. Contemplamos uma oração pela terra, pela vida, pelo universo, pelas deusas, pelos deuses. Contemplamos um mantra para os que aqui estão, para os que ainda chegarão. Você tem uma música, uma dança, um aroma, um sorriso. E estamos aqui hoje somente para te ajudar a relembrar. A relembrar que a vida é felicidade e beleza. Você pode andar na beleza da sua vida. Você pode andar na felicidade da sua vida. Lembre-se porque você veio até aqui. Lembre-se que sua vida é sagrada, é real, com dor e amor. Lembre-se que sua vida é sagrada, é real, com alegrias e tristezas. A gente é feliz pelo que espalha. E a felicidade é muito mais sobre o que damos, do que recebemos”.



Ensaio fotográfico enalteceu a força e beleza de Sandra, Luzia, Daniela, Leomara e Rosilane – Foto: Caroline Antunes


Ensaio fotográfico para elevar a autoestima


Um projeto desenvolvido em conjunto entre as organizadoras do Ânima e as voluntárias da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Orleans, Braço do Norte e Lauro Müller foi realizado com o intuito de elevar a autoestima, através de um ensaio fotográfico, de mulheres que estão passando pelo tratamento contra um câncer. Rosilane Cambruzzi, de Lauro Müller, Daniela Monteiro, de Braço do Norte, Sandra Cristina Fernandes, de Orleans, Leomara Debiasi, de Orleans, e Luzia Graci Montegutte, de Braço do Norte, foram as mulheres fotografadas.  As imagens são de Caroline Antunes, as filmagens de Tayná Antunes e as maquiagens são de Ana Julia Pizoni, Jéssica Bernardino e Gi Medeiros.


A fotógrafa Caroline Antunes conta de que forma a experiência a marcou. “O que mais me chamou atenção nos depoimentos que tivemos é que a ação que essas mulheres sentem a necessidade de ajudar a todas que precisam e isso faz com que elas se esqueçam do próprio problema para ajudar e auxiliar o próximo, e só lembram quando se deparam em frente ao espelho. Finalizei nosso domingo com o pensamento de que uma história de superação pode inspirar muitas outras. E é exatamente o que as meninas da Rede Feminina de Combate ao Câncer e do Ânima fazem, elas mostram que podem se superar a cada dia e acabam inspirando outras mulheres a buscar o seu melhor, a sua alegria e a sua beleza”, afirmou.


“As histórias de superação e muita fé iniciam com um diagnóstico trazendo a confirmação da doença. E aí surgem as dúvidas, inseguranças, tristeza e o desespero é inevitável. No início, parece que está tudo perdido, são tantos recursos a se buscar, tantas idas e vindas que, muitas vezes, parece que o fim está logo ali. Mas a esperança nasce logo com o apoio da família, amigos e, principalmente, desses anjos que cuidam e recebem tão bem essas mulheres na Rede Feminina. Muitas dessas voluntárias já tiveram um diagnóstico de câncer, e é aí que começa a história de dar o melhor de si para ajudar outras pessoas”, concluiu a fotógrafa.


Redação Notícias JH



Participantes do projeto junto às organizadoras do Ânima Marlise Zomer e Nadia Massuco, e presidente da RFCC de Orleans, Maria Aparecida Costa Kawano - Foto: Caroline Antunes


01/11/2019  às 15hs53